Análise: das joias do Sport que estrearam em 2020, Juba mostrou maior potencial

 

Antes da paralisação por conta da pandemia de Covid-19, os clubes tiveram a oportunidade de lançar pratas da casa. E alguns nomes chamaram a atenção, com uma boa expectativa de que possam deslanchar em 2020 caso continuem recebendo chances após o retorno das partidas.

No Sport, jogadores de posições diversas ganharam oportunidades principalmente nos primeiros jogos da temporada, quando o então técnico Guto Ferreira promovia rodízios de times entre o Campeonato Pernambucano e a Copa do Nordeste. Deles, o lateral-esquerdo Luciano Juba, 20 anos, demonstrou bom potencial - principalmente em uma posição carente do elenco.

O comentarista Cabral Neto, no entanto, ressalta que não se pode formar bons jogadores com precipitação. De acordo com ele, os atletas precisam ter oportunidades, mas é importante ter cautela na utilização e no julgamento de suas virtudes e defeitos.

A transição do time Sub-20 para o profissional é um momento determinante na carreira do atleta, já que ele sai de um jogo mais lento, com mais espaço para executar e mais tempo para pensar no que fazer, e parte para um jogo muito mais veloz e que exige uma tomada de decisão mais rápida e precisa. Claro que há os jogadores que são muito acima da curva (Pelé, Neymar, Ronaldo Fenômeno, Ronaldinho e outros), mas não se criam argumentos com exceções.

Cabral Neto avalia que Juba tem um problema comum aos jovens da base. Algo que ele demonstrou nas cinco partidas que esteve em campo pelo Sport na temporada.

- Esses primeiros jogos de Luciano Juba no time profissional são bem típicos de quem está iniciando sua trajetória, que tem como principal característica a oscilação, tanto entre as partidas como dentro do próprio jogo. Isso não é considerado um defeito, é algo natural e esperado.

Quanto às características em campo, é importante lembrar que Juba não é lateral de origem na base. Também atuou como meia, o que abre perspectivas interessantes no âmbito ofensivo.

"Por ter passado parte da carreira atuando como um camisa 10, é esperado que Juba contribua com uma boa visão de jogo, passe qualificado e boa finalização, e ele entregava essa expectativa no Sub-20. Nas cinco participações que teve na equipe principal, o lateral-esquerdo teve lampejos de bom potencial", afirma Cabral Neto.

A participação que mais chamou a atenção na temporada foi no último jogo do Leão pelo Pernambucano, empate sem gols contra o Petrolina, no sertão. Na segunda etapa, Juba acertou a trave adversária duas vezes em jogadas individuais.

- Em alguns momentos, (ele fica) muito preocupado com a marcação, colaborou pouco na frente. Quando se arriscou com confiança no ataque parecia outro atleta, como no segundo tempo contra o Petrolina. Ganhando credibilidade e melhorando a parte física pode ser muito útil ao time na temporada - finaliza Cabral.